CAMDA - A força do campo!
  • Localização Rua Chujiro Matsuda, nº 25 - Vila Endo

  • E-mail contato@camda.com.br

  • Telefone (18) 3502-3000

Faça chuva ou faça sol

POR Roberta Marchioti, 17 DEZ, 2020
17 DEZ

O termo palhada refere-se a resíduos mortos de vegetais na superfície do solo, provenientes de plantas cultiváveis ou não. Para cultura da soja os benefícios são de extrema importância para amenizar as intempéries climáticas que dificultam o atingimento de produtividades satisfatórias. Comprovado por diversos trabalhos universitários e na prática nos acompanhamentos de plantio, a diferença de temperatura de um solo com uma cobertura de palha na ordem de 6 tn de palhada por hectare, comparado ao solo descoberto pode facilmente atingir uma variação de até 10  ̊C . Especificamente na cultura da soja alguns fatores são primordiais para o bom desenvolvimento da lavoura, levando em consideração a palha vamos comentar os benefícios iniciais para a instalação da cultura da soja.

Temperatura e umidade: Especificamente na área da imagem em anexo localizada no triângulo mineiro no Distrito de Alexandrita , próximo a Iturama acompanhamos o plantio do cooperado integrante do projeto + Soja, Guerino Batista Boldrin com uma cobertura de palha de cana de aproximadamente 8 tn por hectare. Notamos uma diferença térmica de aproximadamente  8  ̊C; essa diferença deixa o solo muito mais fresco e com umidade para germinação superiores, promovem o ambiente perfeito para uma boa germinação. Solo mais fresco e com maior umidade.

Proteção contra volumosas precipitações e períodos de estiagem: A palhada neste caso evita danos ao sulco de plantio diminuindo o impacto da chuva sobre o solo, evitando que a semente atinja uma profundidade superior a ideal ou acúmulo de terra sobre o sulco, e também em períodos de estiagem ela conserva por um período muito maior a umidade.

Rizosfera e microrganismos favorecem a inoculação: O ambiente protegido e mais úmido proporciona uma maior inoculação da soja potencializados na região pelo uso do equipamento de inoculação direta no sulco. Os microrganismos da rizosfera apresentam diferentes níveis de especificidades com a leguminosa e também com gramíneas e desenvolve nódulos “colônias “ em suas raízes e em seu processo completo geram a simbiose com a cultura. No caso da soja microrganismos do gênero Rhizobium, Bradyrhizobium auxiliam na fixação de N2 (nitrogênio)  em estudos a eficiência desta simbiose pode gerar o incremento de até 30% no rendimento de grãos . Nos projetos + Soja, as recomendações além de microrganismos específicos para leguminosas é também o processo da co-inoculação utilizando o gênero Azospirillum. Temos uma maior eficiência nas nodulações e também a produção de fitohormônios  que proporcionam o maior desenvolvimento radicular, e ainda presentes estarão apresentando benefícios ao plantio de cana subsequente.

O projeto + Soja, acompanha todo desenvolvimento da lavoura se atentando a detalhes com a relação de carbono / nitrogênio, buscando se preciso manejos químicos pontuais onde reabastecemos o sistema com nitrogênio caso a decomposição da palha o deixe em níveis mais baixo. 

Os benefícios apresentados acima são apenas alguns pontos relevantes de todo sinergismo que a cultura da cana pode trazer para cultura da soja. Assim nosso ciclo não para: cana + soja, cooperado + Camda multiplicam exponencialmente resultados positivos! Participe você também!

Lucas Pauli

gerente cereais